Olhando para os jornais e telejornais nada me convence de que tais poemas não são mais necessários. Como é “ler” ao vivo? Ler em voz alta, sozinho em um quarto; ler para uma audiência quase interessada?

Este livro de Anízio Vianna retoma a prática de escritores que se lançam no mundo ao seu redor para torná-lo linguagem poética, embora, insisto, a realidade não se entrega facilmente. Seus olhos irão se deparar com a poética prosaica que ora se faz à guisa de crônica, ora se desvia por lirismo quase puro, pois não há nada aqui nestes versos que almeje a totalidade.

Quem não se lembra do “Poema tirado de uma notícia de jornal”, do consagrado poeta Manuel Bandeira? Vianna dispara um breve e possante intertexto – “Não notícia” – o qual revela e critica os conturbados tempos atuais do jornalismo: “quem conduz a narrativa/ é um semideus/ de letra & tinta”.  Ler ao vivo é ainda passear/passar pelas imagens e personagens (poemas narrativos permitem sua presença) em “Cracolândia” e “Avenida Pedro II”, locais que vez por outra são motivo de reportagens das “páginas policiais”. Neles, entretanto, a linguagem se afasta, e muito, da repetição de jargões dos boletins de ocorrência lavrados pela polícia.

Adélcio de Sousa Cruz

Professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa, onde leciona Teoria da Literatura e Literatura Brasileira.

Saiba mais

escrevoaovivo_deitado

 

Escrevo ao Vivo é um blog. Nasceu em 2005. As principais redes sociais engatinhavam. Era a oportunidade de estabelecer-me um desafio literário: um poema semanal inspirado num fato da semana. Este livro é a compilação deste material com as devidas adaptações ao formato livro.

 

BINHO BARRETO
Capa
Binho Barreto nasceu em Belo Horizonte. É artista visual e atua em diferentes meios como desenho, pintura, fotografia e arte urbana. É professor de artes visuais e ilustrador.
RAÍLA MELO
Fotos do autor
Fotógrafa na Assembleia Legislativa de Minas Gerais desenvolve o projeto See Retratos: Fotografia de mulheres. Feita por mulheres e para mulheres.
ADÉLCIO SOUSA
Prefácio
Professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa (DLA/UFV). Concluiu pós-doutorado no POSLIT/UFMG (2013), é doutor em Literatura Comparada (2009).
RICARDO PORTILHO
Projeto Gráfico
Artista visual, professor da UEMG. Coordena a Entrecampo (estúdio de design, editora e oficina gráfica).
TATIANA CAJU
Ensaio fotográfico
Fotógrafa, cedeu uma de suas fotos,  retirada do ensaio “Anônimos em Paris”, para ilustrar o poema “Les Revenants”.
FABRÍCIO MARQUES
Ensaio Crítico
É jornalista, poeta e professor. Foi diretor do Suplemento Literário de Minas Gerais. Última obra “Uma cidade se inventa” (Scriptum, 2015).
LAURA ATHAYDE
Ilustração
Laura Athayde é advogada por profissão e desenhista por teimosia. Lançou dois zines Delirium e O Mundo é Um Jogo, Eu Só Tenho Mais Uma Vida, Arquipélago (Editora Tribo) .
LEONEL ARREGUI
Poema-charge
Ator e humorista gráfico chileno. Pai desde 8 de setembro de 2012.
ANÍZIO VIANNA
Autor
Professor, escritor e letrista. Você pode ler mais sobre o autor no blog escrevoaovivo.com.